Termografia

A inspeção termográfica é definida como a técnica de inspeção não destrutiva, que se baseia na detecção de radiação infravermelha naturalmente emitida pelos corpos, permitindo a medição de temperaturas sem contato físico com os mesmos.

Através da utilização de sistemas infravermelhos, torna-se possível a observação de padrões diferenciais de distribuição de calor em um componente, com o objetivo de proporcionar informações relativas à condição operacional deste.

 

As seguintes Normas Técnicas foram utilizadas como referência para o serviço:

 

  • American Society of Nondestructive Testing (ASNT) guidelines for Nondestructive Testing, Infrared and Thermal Testing.
  • E1934-99a Standard Guide for Examining Electrical and Mechanical Equipment with Infrared Thermography
  • ABNT NBR 15424:2010 – Ensaios não destrutivos – Termografia – Terminologia;
  • ABNT NBR 15572:2008  – Ensaios  não destrutivos  – Termografia  – Guia  para Inspeção  de  Equipamentos Elétricos e Mecânicos;
  • ABNT NBR 15718:2009 – Ensaios não destrutivos – Termografia – Guia para a verificação de termovisores;
  • ABNT NBR 15763:2009 – Ensaios  não destrutivos  – Termografia  – Critérios de Definição  de Periodicidade de Inspeção em Sistemas Elétricos de Potência;
  • ABNT NBR 15866:2010 – Ensaios não destrutivos – Termografia – Metodologia de Avaliação de Temperaturas de Trabalho de Equipamentos em Sistemas Elétricos;
  • Normas e especificações técnicas publicadas por fabricantes de componentes elétricos.

No instante da inspeção em um componente elétrico, será realizada uma rigorosa seleção preliminar para determinar se este componente se encontra em situação normal ou não. Caso não esteja em situação normal, o caso é registrado para posterior diagnóstico informado no relatório entregue ao cliente.

 

São verificados então, a temperatura do componente, temperatura ambiente, temperatura máxima admissível do componente, carga nominal e carga do componente no momento da medição.

 

Máxima Temperatura Admissível (MTA): Utilizam-se como máxima temperatura admissível de componentes de diversos fabricantes, valores indicativos obtidos através de ensaios e experiência em campo, de acordo com a classificação abaixo:

 

  • Média Tensão (Componentes com tensão de trabalho acima de 1kV):
    • MTA = (30°C + Temperatura Ambiente).

 

  • Baixa Tensão:
    • Cabos Isolados e Terminais: MTA = 70°C.
    • Barramentos e Conexões (Cobre / Alumínio): MTA = 100°C.
    • Contatos e Articulações de Seccionadoras e Disjuntores: MTA = 100°C.
    • Corpos de Fusíveis: MTA = 100°C.

As falhas e os riscos ao sistema detectados são classificados segundo critério de prioridade de manutenção e grau de abrangência dos equipamentos que venham apresentar problemas, conforme descrição abaixo:

Prioridade Delta T MTA Periodicidade da Ação
Baixa 5º C até 10º C >60% da temperatura máxima até 70% Monitoramento – 60 dias
Média >10º C até 20º C >70% da temperatura máxima até 80% Programada – 30 dias
Alta >20º C até 40º C >80% da temperatura máxima até 100% Urgente – 7 dias
Muito Alta >40º C > temperatura máxima Emergência – Imediato

 

O relatório é apresentado através do roteiro detalhado de inspeção, além dos termogramas de todos os pontos inspecionados.

 

A AW Strom dispõe de câmeras modernas e capazes de indicar com precisão anomalias térmicas.

A análise termográfica é vital para diagnósticos nos sistemas elétricos, principalmente em:

  • Painéis e Cubículos;
  • Cabos e Conexões;
  • Barramentos;
  • Subestações;
  • Máquinas;
  • Transformadores.